quinta-feira, março 09, 2006

O Mundo é um moinho

Ainda é cedo amor
mal começaste a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar

Presta atenção, querida
Embora eu saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco a tua vida
E em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos
Vai reduzir as ilusões a pó

Preste atenção, querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás à beira do abismo
Abismo que cavastes com teus pés

Cartola

Um comentário:

PHYLOS disse...

Cartola tem letras lindas. Ás vezes vejo comentários de como pessoas sem "muita cultura", usando o jargão usual, conseguem escrever letras tão lindas. Não devemos esquecer que nem tudo é esta cultura organizada, segmentada, ensinada em aulinhas. Algumas pessoas já nascem com o dom da poesia, a sensibilidade à flor da pele. Cartola sem duvida, era dessa estirpe. Parabéns pelo texto. Abç.